Recomeço

Meu primeiro contato com câmeras, fotografia profissional e essas coisas todas foi na faculdade, em 1996. Tive um ano de fotografia, como matéria. Aprendi a usar câmera “de filme”, revelar e ampliar filmes PB. O primeiro presente que dei para o meu pai, bacana e com o meu dinheiro, foi uma câmera Pentax (porque na faculdade estudamos numa Pentax). O presente era pro meu pai porque minha mãe dizia que meu pai AMAVA fotografia quando era solteiro. Acho que deve ser genético.

Depois de um tempo, não sei por que, não me interessei tanto. Outras prioridades, acho. Mesmo com uma amiga da época da faculdade gastando horrores com equipamentos e cursos e me mostrando fotos lindas que tirava, toda empolgada. Eu não entendia isso. Pra mim tinha passado, como passaram as aulas de fotografia.

Da mesma forma, não sei bem por que – talvez por usar tantos banco de imagens para meus trabalhos – voltei pra esse mundo.

Redescobri a fotografia com o meu celular em 2011, um Sony Ericsson Xperia Mini Plus master blaster ultra mega. Um dia, num almoço de Natal com a família que não se reunia fazia tempos. Vi aquela beleza e não tinha ninguém registrando nada! Aquela mesa linda, uma mesa especial de doces lindos, sorrisos lindos! Não tive dúvidas: catei o celular e saí registrando. O resultado ficou muito melhor do que esperado – mesmo quando imprimi as fotos para presentear minhas tias.

326545_2912983545944_65809044_o

323574_2912984505968_74481029_o

327872_2912985425991_276862873_o.jpg

339295_2912986946029_1671424416_o326541_2912989386090_764898862_o336775_2912990946129_153908794_o326039_2912994426216_743058831_o

Todas essas fotos foram tiradas com o celular RGB, sem flash, sem filtros (não tinha Instagram ou outros recursos), apenas com a luz natural. A única coisa boa mesmo eram as lentes Carlz-Zeiss. Mas percebi que meu olhar contava muito. A falta de equipamentos que me restringiam em fotos que eu tinha vontade de fazer me fez juntar um dinheiro e investir numa câmera.

Como não tinha intenção de me profissionalizar, só queria uma boa câmera, que não fosse automática, mas que não fosse tão grande. Estava de olho na Nikon 1, que já vinha com lentes intercambiáveis, mas com um corpo pequeno. Descobri as “Mirrorless”. Estudei a respeito, li muitos reviews, comparações e acabei descobrindo as da Sony. Como o celular Sony já me garantia umas boas fotos, pensei: “vou de Sony!”. Comprei o modelo NEX-F3 que estava sendo lançado na época. Quer saber? Não é a melhor do mundo mas vem cumprindo muito bem com sua função! Bem, tem outros detalhes a respeito, mas que merecem uma publicação só sobre isso.

Hoje eu sou até meio chata: toda festa que vou, encontro, qualquer comemoração – mesmo que eu seja uma simples convidada – carrego a câmera comigo na bolsa. Chego pro dono da festa e pergunto: quer que eu fotografe? Meio “mala” isso, eu sei. Mas se não fotografo parece ser meio doloroso ver as coisas bonitas que eu vejo e não poder captura-las com a minha lente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s